Cristãos foram espancados após serem libertados de prisão

Cristãos foram espancados após serem libertados de prisão

A perseguição religiosa aos cristãos no mundo continua a todo vapor. Um desrespeito a vida. Julgando pessoas pela cultura que aprenderam desde criança. Entre 2006 e 2010, os cristãos foram discriminados em 139 países. No Sudão existe um histórico triste de perseguição aos cristãos. Lugar onde não há liberdade religiosa.

Essa história aconteceu com um grupo cristãos que foram preso injustamente. Eles dividiam uma casa em uma cidade do Sudão. Foram presos sem saber o por que e foram espancados na prisão.

cristaos

Há uns anos atrás, um pastor líder da Igreja Presbiteriana do Sudão, afirmou que o país “declarou guerra aos cristãos“. Ele foi preso após assumir a igreja, ficando nove meses na prisão.

“Pouco sabia eu que o Sudão tinha declarado uma guerra contra os cristãos”, disse ele na época, segundo informações da International Christian Concern. Yat explicou que o receio do Governo sudanês é que os cristãos que falam árabe “possam facilmente chegar aos muçulmanos e conquistá-los para Cristo”.

No início desse ano um ataque ocorrido no Sudão do Sul resultou na morte de 10 pessoas. O alvo foi uma faculdade Construída em 2001 pela organização Portas Abertas, junto com a Igreja Evangélica Presbiteriana do Sudão, a Faculdade Cristã Emanuel.

No Sudão, acontece a demolição de uma igreja por mês e a prisão de cristãos por acusações como “proselitismo” ou, no caso das mulheres, “vestir-se de maneira obscena ou pouco modesta”. O governo do Sudão provocou um êxodo massivo de cristãos, obrigados a retornar às suas regiões de origem no Sudão do Sul.

Precisa se criar estratégias e ações efetivas para o fim dos atos de violência religiosa no mundo. A classe política tem se empenhado para o combate à intolerância, mais ainda não é o suficiente. Precisa mudar muita coisa e assim teremos um mundo melhor!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.